5 de fevereiro de 2007

As três versões


Abriu a porta e sorriu ao me ver dormir na cama
Tirou a roupa, me puxou pela cintura como quem clama
Juntou meu corpo quente com o seu em chama
Tocou minhas pernas como se fossem de dama
Bebeu do meu cálice que de prazer derrama
É que sabes da paixão que em mim inflama
Depois me olha nos olhos como quem ama.

Eu dormia quando você chegou
Se despiu, e pela cintura meu corpo ao teu juntou
Da paixão que em nós ardia o quarto esquentou
Como se lesse meu pensamentos me tocou
Rasgando a noite o desejo em mim gritou
Me prendeu em suas pernas e me inundou
Depois me olhou nos olhos como quem amou.

Eu dormia na cama branca do apartamento
Tirando a roupa, levou meu corpo quente ao seu fervendo
Tocou- me com leveza e em suas mãos fui me perdendo
Tomou da essência que em mim o prazer ia vertendo
Gritei na noite porque contigo me sentia vivendo
Me segurou presa em ti até que o dia ia nascendo
Depois me olhou nos olhos mas não sabia o sentimento.

05 de fevereiro de 2007.
15:50


Poesia sobre nossa sexta-feira.

Nenhum comentário:

Curta