23 de dezembro de 2006

"Só aquele que não tem a menor noção do eterno após o tempo, nem do abismo do infinito que o cerca, sempre tem respostas definitivas sobre o que nada sabe"

(Elanklever)

19 de dezembro de 2006



Qual é o segredo do amor?Como fazer um relacionamento resistir ao tempo, resistir a rotina, ao ego de cada um?Se apaixonando não pela figura que se apresenta, não pelo sonho que você idealizou, mas pela pessoa que de alguma maneira te conquistou.Quem se apaixona pelo cheiro da pessoa amada, pelo riso solto ou pela franqueza, pelo jeito tímido ou debochado de ser, aprende a amar a essência e separa: o que é real do que é sonho...Só ama de verdade quem "admira" os detalhes da pessoa amada, e são os detalhes que fazem toda a diferença.Muita gente procura amores de cinema, onde tudo faça a diferença, a pele, o sorriso, a altura, os cabelos, a simpatia, a inteligência, o bolso, a profissão, são tantas exigências, tantas requisições, e o amor pede tão pouco: no início admiração, depois do conhecimento inicial: atenção, depois de algum tempo juntos: dedicação, e junto com o respeito, que deve existir sempre, o amor para resistir ao tempo precisa de detalhes, as vezes tão pequenos, que acabam gerando um elo, uma aliança que torna o casal único, isso se chama cumplicidade, e é o que faz a diferença.Cumplíces são mais do que amigos, mais do que irmãos, são almas afins que se reconhecem mesmo de longe, onde o olhar fala mais do que mil palavras, detalhes que fazem de um relacionamento, o verdadeiro amor, o que dura além do tempo, e transformam duas pessoas em "almas gêmeas".

13 de dezembro de 2006





Quem me vê sempre parado, distante, garante que eu não sei sambar; tô me guardando pra quando o carnaval chegar. Eu tô só vendo, sabendo, sentindo, escutando e não posso falar; tô me guardando pra quando o carnaval chegar. Eu vejo as penas de louça da moça que passa e não posso pegar; tô me guardando pra quando o carnaval chegar. Há quanto tempo desejo seu beijo molhado de maracujá; tô me guardando pra quando o carnaval chegar. E que me ofende, humilhando, pisando, pensando que eu vou aturar; tô me guardando pra quando o carnaval chegar. E quem me vê apanhando da vida duvida que eu vá revidar, tô me guardando pra quando o carnaval chegar. Eu vejo a barra do dia surgindo, pedindo pra gente cantar; tô me guardando pra quando o carnaval chegar. Eu tenho tanta alegria, adiada, abafada, quem dera gritar; tô me guardando pra quando o carnaval chegar.

[ Chico Buarque ]

Curta