13 de dezembro de 2006





Quem me vê sempre parado, distante, garante que eu não sei sambar; tô me guardando pra quando o carnaval chegar. Eu tô só vendo, sabendo, sentindo, escutando e não posso falar; tô me guardando pra quando o carnaval chegar. Eu vejo as penas de louça da moça que passa e não posso pegar; tô me guardando pra quando o carnaval chegar. Há quanto tempo desejo seu beijo molhado de maracujá; tô me guardando pra quando o carnaval chegar. E que me ofende, humilhando, pisando, pensando que eu vou aturar; tô me guardando pra quando o carnaval chegar. E quem me vê apanhando da vida duvida que eu vá revidar, tô me guardando pra quando o carnaval chegar. Eu vejo a barra do dia surgindo, pedindo pra gente cantar; tô me guardando pra quando o carnaval chegar. Eu tenho tanta alegria, adiada, abafada, quem dera gritar; tô me guardando pra quando o carnaval chegar.

[ Chico Buarque ]

Curta