25 de julho de 2017

poematicamente
me dedico no tempo
que nos afasta a 
descalcular todas
as distâncias
porque o que separa
não mede tudo onde
há recipro-cidades
me permito 
o viver em 
tempos de
rara-idades
intens-idades
possibil-idades
incalculáveis

Cáh Morandi

17 de julho de 2017

não posso entrar
porque não sei o
segredo com que
te abro, mesmo que
tenha caminhado até 
aqui entre todas 
tuas camadas
paredes de esconderijos
para tentar atravessar
muralhas chinesas
para me demarcar
labirintos infinitos
para me orientar
como me dissolver ou
como me fazer absorver
para saber o que
há do outro lado
de você?

Cáh Morandi
prefiro pensar que
não estava escrito
que não houve 
pré-destinação
que havia de 
ser porque sim
e não havia a
opção do não
deixa-me crer
que teve a escolha
que ardeu o desejo
que poderia não ser
que era improvável
que ninguém apostaria
imaginar que o encontro
aconteceu depois que
perdemos o mapa e
andamos à beira de
todos os outros que
eram apenas destino

Cáh Morandi


3 de julho de 2017

outro
se existisse
se pudesse
despertasse
conhecesse
jamais
te deixar
te trocar,
muito mais
aproximar-te
amar-te
oferecer-me
e aceitar-me,
eternizar-nos

Cáh Morandi

27 de junho de 2017

não cai na
tentação da luta e
nem senti o desespero
por não ter o corpo
fechado
penso que viver é
mesmo ser assim
inten-in-sanamente
alguém de muitos
acessos para quem
chega ou quando canso
e, de repente, parto
não me demarcaram
não me afronteirei
sou um lugar livre
e se pareço sensível,
frágil e acessível, é 
exatamente isto
- você também já 
experimentou
estar vivo?

Cáh Morandi

7 de junho de 2017

foi um susto ao
abrir a cortina
para o que vinha,
de repente um
clarão, de supetão
meu corpo cedeu
no chão, e me
vi atordoada dos
sentidos, meus
ouvidos sentiram
a vibração da luz
dos teus passos
desde então te sigo
no escuro e me sinto
estranhamente-iluminada
é certo que o
amor é cego,
porque meu Deus:
como você brilha.


Cáh Morandi

30 de maio de 2017

de uma forma já
nem secreta e não
milagrosa como pensei
que seria, já nem tão
dolorida e nem cheia
de dedos
talvez um pouco ainda 
desconfortável
foi inquestionável
te desejar, mas
me caleja a tarefa
de te desconstruir
porque tem a parte de
mim que é irrecuperável
não é não te amar - mais.
é saber como te amar - ainda.

Cáh Morandi

18 de maio de 2017

os milagres
importantes
acontecem
se estamos
distraídos
tudo muda e
bruscamente,
de repente e
sem alarde,
abrupta-
mente
basta não
entender e
pensar: que
presente a 
chance de
ter o segundo
à frente


Cáh Morandi

17 de maio de 2017

é pé por pé que
venho até perto
da janela e ensaio
fechar as cortinas
do nosso encontro
tanta luz me cega 
e clareando me
sinto exposta,
indefesa e imóvel 
sem poder correr
do inevitável
mesmo assim 
tu chegas
antes para
se salvar

Cáh Morandi
tens toda uma
vida e te conheço 
só pelos teus
últimos anos

é certo, mas
considerei
engano

agora sei: pois
como sobreviver 
à viver 
intenso-sabendo-te
todo

(respiro)

Cáh Morandi

Curta